Pesquisar neste Blog

15 agosto 2009

Caminhos Cruzados, de Erico Verissimo

"Está com fome, com frio e sozinho, pois todos os homens o abandonaram na solidão branca." (pág. 26, 3ª edição) 

caminhos cruzados erico

Há poucos minutos finalizei a leitura do romance brasileiro Caminhos Cruzados (1935), que foi o terceiro livro escrito pelo gaúcho Erico Verissimo, após o seu célebre Clarissa (1934) e Música ao Longe (1935).

[Nota mental: Como é que uma pessoa consegue escrever dois livros em um mesmo ano? Céus, haja fôlego!... E quanta inspiração!]

Caminhos Cruzados já é o sexto romance que leio do autor; isso sem contar com Saga, que já está aqui na minha estante apenas esperando uma oportunidade para ser lido. Por ora, os estudos na universidade me oprimem e me obrigam a deixar a literatura de lado.

Os leitores do Artigos Efêmeros que me perdoem, mas eu realmente fiquei fascinado pelas obras de Erico, e por enquanto são somente elas que povoam estas resenhas. Quando eu terminar a leitura de Saga, talvez passe para um romance de Máximo Górki ou de Ray Bradbury. Quem sabe.

---------------------------------------

Sinopse (Oyo e Cia. das Letras): "Caminhos Cruzados" é um interessante painel das diversas camadas que compunham a sociedade brasileira à época do governo de Getúlio Vargas. Erico Verissimo traça cento e vinte capítulos de cinco dias - de sábado a quarta feira - da vida de diversos tipos diferentes; desde a garota pragmática e seu namorado sonhador até a prostituta meiga e a senhora que imagina ver suas obras assistenciais nas páginas dos periódicos. Um mundo inteiro de contrastes aparece ao longo das 300 páginas do livro.

Sem narrar acontecimentos de vulto o autor expõe o nervo da fragilidade humana. Sua capacidade de fabulação ainda hoje provoca impacto e lança um apelo à sensibilidade; tornando-se Erico, pois, um dos maiores mestres no drama nacional.

---------------------------------------------

Apesar de ser notadamente um dos romances mais superficiais e menos reflexivos do autor, Caminhos Cruzados tem o seu brilho próprio e não fica para trás da extensa obra de Erico Verissimo. Não, não. Muito pelo contrário, eu acho: Caminhos Cruzados é um dos livros de formação mais interessantes que conheço. Possui um estilo direto e objetivo, enxuto, livre de volteios, com os acontecimentos narrados sucedendo-se rapidamente e sem preâmbulos.

Assim como a maior parte dos romances do autor, este possui uma trama baseada na 'técnica do Contraponto' (ver o post O Resto é Silêncio), técnica esta que nos revela um mundo onde desfilam diversos personagens marcados pela angústia (Maria Luísa, no caso) e pela liberdade (Chinita), pela boa-ventura (Salustiano) e pela desgraça (João Benévolo), pelo ódio (Virgínia Madeira) e pela paixão (Dona Dodó), tudo isto a um só tempo e espaço: Porto Alegre da década de 1930.

Além de narrar os trâmites do enredo com suavidade e graça literária, Erico Verissimo faz, no romance em questão, uma pesada crítica social com relação à hipocrisia política de Porto Alegre da década de 30 - que não deixa de ser a hipocrisia do país inteiro, lógico - e às abissais diferenças da sociedade que lá vivia. Ricos e miseráveis convivem num mesmo espaço divido apenas por ruas e avenidas.

Só para citar um exemplo de disparidade social, temos o caso do magnata Leitão Leiria, hipócrita dono de grandes negócios, e do extremo João Benévolo, desempregado que passa sérias necessidades financeiras e vive em desgraça total com a mulher Laurentina e o filho Napoleão.

Caminhos Cruzados é também o livro de maior teor pornográfico que li do Erico até agora - não que eu veja muita necessidade em dizer isso, claro: falei apenas por curiosidade. O que dizer das cenas eróticas entre Chinita e Salustiano, por exemplo, que apesar de serem narradas com brandura, transmitem bem a idéia do desejo insaciável do casal? Ou, ainda, o que falar do tímido e dissimulado lesbianismo entre Vera e Chinita? São cenas que causaram muito espanto na sociedade da época, disso podemos ter certeza.

Aliás, foi depois dessa obra que a crítica brasileira taxou o autor de “imoral” e “comunista” – este último adjetivo por causa das constantes reflexões que Erico Verissimo põe na boca de suas personagens, coisas do tipo: “Com o dinheiro que hoje se gasta em bebidas e outros vícios poderíamos construir muitos asilos e hospitais para os desprotegidos da sorte”.

(Certa vez, o escritor norte-americano F. Scott Fitzgerald disse que "um escritor deve escrever para a juventude de sua geração, para a crítica da próxima e para os mestres de todo o sempre". Pode-se dizer que Verissimo seguiu o conselho à risca e agora, enquanto os críticos de antigamente taxavam os seus livros de imorais e impróprios, os críticos da atualidade o têm como um grande e notável prosador...)

Uma das personagens que acho mais interessantes em Caminhos Cruzados é o jovem Noel, filho de pais ricos e que, educado com muitos mimos pela criada negra na infância, sente-se absorto em um mundo de fantasia do qual agora procura escapar. As muitas leituras que Noel teve quando criança, sobretudo leitura de contos de fadas, transportou-o para um universo onde as coisas, por lei, devem ser agradáveis, bonitas e menos sofríveis que na vida real. E é por isso que ele sofre bastante. Fernanda, a sua amiga íntima e inseparável, se sente na obrigação de trazer Noel de volta à realidade, ao "mundo dos vivos", e tirá-lo das ilusões da literatura.

Diga-se de passagem: Juntos, os dois formam um belo casal.

Uma das características que eu acho mais notáveis nos livros de Erico é a quase que total falta de desfecho que as suas histórias possuem. A narrativa de Caminhos Cruzados, por exemplo, como que termina de repente, abruptamente; aliás, se não fosse pelo contato físico e visual que se tem com o livro, tomaríamos um susto ao ver que o romance acabou tão sem aviso.

No entanto, naturalmente, não é tão sem aviso assim. É como se o autor terminasse a sua obra um pouco antes do momento convencional, um pouco antes do que estamos acostumados, um pouco antes da linha de chegada. O resultado é que, apesar de termos uma vaga idéia do que poderá ter acontecido com as personagens, nós nunca teremos a certeza absoluta disso – porque não foi escrito. Desse modo, fica suspenso no ar o destino das pessoas. Não há nada que faça alusão a um fim concreto, definitivo.

A única coisa que então resta ao leitor é fazer suposições, suposições essas que, por outro lado, nem são assim tão difíceis de se fazer, haja vista que boa parte da história já foi contada - e muita coisa de lá pode ser deduzida facilmente.

A falta de um final concreto é um ótimo exercício para a nossa imaginação, além de ser um evidente fator que mostra que a vida continua, apesar de tudo, apesar dos pesares.

Aliás, mais do que qualquer outra coisa, no final dos livros de Erico Verissimo sempre fica claro isto: A vida está aí e ela continua.

----------------------------------------------

Abaixo, como sempre faço, está um dos trechos mais interessantes do livro. Confesso que Caminhos Cruzados não é um livro de grandes reflexões filosóficas/literárias – pelo menos não nos moldes habituais do autor -, mas, ainda assim, a passagem que se segue me chamou a atenção:

“A vida (...) é uma sucessão de acontecimentos monótonos, repetidos e sem imprevisto. Por isso alguns homens de imaginação foram obrigados a inventar o romance.

O Homem, na Terra, nasce, vive e morre sem que lhe aconteça nenhuma dessas aventuras pitorescas de que os livros estão cheios. Debalde os romancistas tentam nos convencer de que a vida é um romance. Quando saímos da leitura de uma história de amor, ficamos surpreendidos ao nos encontrarmos na vida real diante de pessoas e coisas absolutamente diferentes das pessoas e coisas das fábulas livrescas.”

[pág. 299, 3ª edição, Cia. das Letras]

3 comentários:

  1. [Nota mental: Como é que uma pessoa consegue escrever dois livros em um mesmo ano? Céus, haja fôlego!... E quanta inspiração!]

    E pense bem, ele em um préfacio de 1964 disse que trabalhava 12 hora por dia traduzindo livros. Creio eu que ele passava as outras 12 horas escrevendo os seus.

    ResponderExcluir
  2. Você escreve como se estivesse no sofá da minha casa discutindo meu escritor preferido!

    ResponderExcluir
  3. Isabelle, que comentário agradável, o seu!

    Erico Verissimo continua sendo um dos meus escritores preferidos de todos. E certamente é o meu autor favorito do Brasil.

    Obrigado pela visita e pelo comentário!
    Sinta-se em casa.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Muito obrigado pela visita ao Gato Branco! Seu comentário será extremamente bem-vindo! :)